1 mês de Lola


O tempo não para!

O tempo não para!


A baixinha dorme, nesse momento, no tapete da sala sob os meus pés. Olho pra baixo e vejo sua barriguinha subir e descer, a respiração bem regular. Os olhinhos fechados, a expressão bem relaxada. “Minha gôda”, como eu costumo chamá-la carinhosamente.

Ontem, fez um mês que a trouxemos pra casa. Praticamente no mesmo dia, comemoramos seis meses de vida em Londres. Meio ano! O tempo não para…e a única coisa constante é a mudança.

Éramos 3 quando arrumamos as malas e viemos para o velho continente. Agora, somos 4. Nesse último mês, tanta coisa aconteceu. Lola, Lolita, a “gôda” é uma Golden Retriever tão humana quanto um cachorro pode ser: tem qualidades, defeitos, sabe encantar e também matar a gente de raiva em alguns momentos.

Em um mês, foram vários cocôs e xixis…a maioria no lugar certo, ainda bem, mas alguns no tapete da sala, onde ela dorme um sono profundo nesse momento. O primeiro aprendizado foi que cachorros e tapetes não fazem uma boa combinação.

Em um mês, foram vários “nãos”. Não pode pular no Theo, não pode pular na mesa quando estamos comendo, não pode morder, não, não, não. Tantos “nãos” que trouxeram uma reflexão. Meu marido, em um momento de frustração, comentou que, além de falarmos um bando de “nãos” para o Theo, agora, também, falávamos pro cachorro. E aqui estamos nós tentando reforçar mais o positivo do que chamar a atenção pelo negativo. Coisa bem difícil com duas crianças em casa. 🙂

Em um mês, tive uma boa e clara noção do que passa uma mãe de 2 filhos. Espero que ninguém se ofenda com a comparação, mas é como tenho me sentido. Theo acorda pela manhã com toda a pilha. Lola também…afinal, passa grande parte da noite acordada, ansiosa pelo momento em que as pessoas vão acordar para que ela possa brincar e interagir. E, enquanto preparo as torradas de um, corro pra limpar o cocô noturno da outra, bloqueando para que ela não pise em tudo. Enquanto isso, ouço um barulho e vejo o garotinho abrir a jarra de suco e tomar tudo no gargalo, derramando grande parte no uniforme. Se vira nos 30!

Em um mês, vi a Lola fugir para o vizinho algumas vezes. Ela foi esperta o suficiente para alargar um espaço entre duas ripas de madeira da cerca e foi para lá, feliz e saltitante, brincar com o novo amigo, o beagle chamado “Picle”.


Lola e Picle (arquivo pessoal)

Lola e Picle (arquivo pessoal)


E, nesse último mês, vi surgir uma amizade promissora entre um garotinho autista e um cachorro. Theo, que mal encostava naquela peludinha em sua primeira semana em casa, hoje em dia, pega tanto que até temos que ensiná-lo a fazer carinho. Pego sua pequena mão e sacudo bastante dizendo “molinho, molinho” pra que ele entenda que carinho se faz com a mão solta, não com os dedos enrijecidos, com força. Falo pra ele que a Lola sente dor como a gente. Que ele não pode tentar subir em cima dela ou dobrar seu rabinho.

Por sua vez, Lola também tem aprendido a se controlar pra não testar seus dentinhos de bebê no Theo. O que é bem difícil, principalmente quando ele passa correndo em sua frente, em toda a sua animação e hiperatividade. Algumas blusas dele já têm buracos advindos desses momentos de empolgação mútua.


Uma linda amizade

Uma linda amizade


Mas, o mais importante: nesse último mês, várias “coincidências”. Theo, que costumava fugir para a nossa cama todas as noites há 2 meses, misteriosamente, voltou a dormir sozinho em sua cama. Sem alarde. Por vontade própria. Nosso garotinho não verbal começou a dizer “au-au” na semana em que fomos buscar a “Gôda”. Poucos dias depois, já falava “oua” (Lola). Voltou a falar “mamãe” como se não houvesse amanhã. E, há poucos dias, também começou a falar “mó” (more = mais, em inglês) quando quer mais suco ou comida.

Um mês de Lola! Um mês de muito carinho, muitos aprendizados e algumas mudanças profundas e significativas. Agora sinto, de verdade, que nossa família está completa. Sou a legítima “mãe de cachorro”. 🙂

Tenho certeza de que o melhor ainda está por vir. E , desde que estejamos juntos, vai tudo dar certo. P.S: já seguiu nosso Instagram? É @lagartavirapupa!

anjos
  1. Facebook

  2. Twitter

  3. E-mail

#theoelola #autismoinfantil #autistasecachorros #andreawerner #sobreautismo #goldenretriever #autismo #criançaautista #oautismo #autista