A gravidez está ligada ao autismo

Resolvi traduzir esse texto já que temos sido inundados, no dia a dia, com reportagens que começam com “XXX pode aumentar o risco de autismo”. E muita gente me manda email e pergunta. E eu sei que a maioria dessas notícias não deve ser levada muito a sério. E aqui está uma ótima explicação do porquê. Na verdade, juntei partes de dois textos do mesmo blog. Na primeira, o autor explica porque não devemos confiar muito nesses “estudos” que saem. No segundo, ele tira um sarro dessa situação, cuja culpa acaba caindo, inevitavelmente, no colo da mãe! A tradução é livre. Enjoy!

“Pode” aumentar o risco de autismo

Um estudo após o outro parece cair nas notícias com a chamada “pode aumentar o risco de autismo” e, coletivamente, a comunidade do autismo fica preocupada. Alguns desses estudos no último ano incluem “Morar perto de uma rodovia pode contribuir para o risco de autismo”, “, “Icterícia em recém nascidos pode estar ligada ao autismo”, “a distância entre irmãos pode estar ligada ao autismo”, “o uso de vitaminas pré-natais previne o autismo”, “obesidade da mãe pode estar ligada ao autismo”e a lista continua. Você precisa entender como esses estudos surgem. Pesquisadores escolhem um ano, ou vários anos, checam os antigos registros médicos das crianças nascidas nesses anos, determinam quais foram diagnosticadas com autismo mais tarde e procuram algo que mais de 50% delas tenha em comum. Se eles descobrem que 55% das crianças que moravam perto de uma rodovia tinham autismo, eles podem, então, lançar uma notícia dizendo que um estudo foi feito e concluiu que morar perto de uma rodovia aumenta o risco. Há vários problemas nisso.

  1. Eles não estão contando as crianças que não foram diagnosticadas.

  2. Muita informação pode estar desatualizada ou simplesmente incorreta. Dados históricos em estudos têm uma margem de erro enorme.

  3. Quando você está procurando algo em comum, você pode encontrar praticamente qualquer coisa.

Permita-me explicar melhor o ponto número 3: vamos dizer que eles pudessem descobrir se um passarinho estava voando sobre a casa no momento da concepção em 51% dos casos de autismo. Isso poderia resultar em um estudo afirmando que pássaros voando sobre a cabeça durante o sexo poderia aumentar o risco de autismo. Por sorte, não há como checarem isso, mas quer saber? É possível que aconteceu. E isso significa que realmente aumentou o risco? Não.

Nota da Andréa: é muito parecido com aquela piadinha de que “100% das pessoas que tiveram câncer tomavam água”. 

Queridos pesquisadores: a gravidez está ligada ao autismo. Não precisam me agradecer.

Queridos pesquisadores, Estou escrevendo para pedir que vocês parem, por favor. Parem de tentar encontrar um jeito de culpar as mães. Parem de procurar por cada uma das coisinhas que vocês conseguem pensar para linkar com a causa do autismo. Parem de assustar as pessoas. Parem de fazer as pessoas pensarem que elas tem que se mudar, perder peso, ter filhos mais cedo, esperar pra ter um segundo filho e uma outra lista de coisas com as quais vocês estão matando as pessoas de medo. Parem de fazer as mães grávidas pensarem que ter uma febre causará autismo no filho, mas tomar Tylenol para a febre também causará autismo. Parem de fazer as mães pensarem que devem espaçar uma gravidez da outra, mas que elas também não podem ser velhas demais. Simplesmente, parem! Eu entendo que vocês só estão tentando achar a verdade. Eu entendo que vocês só estão tentando obter mais informações. No entanto, isso já está passando do ridículo. Eu fiz uma listinha dos estudos mais recentes só pra dar a vocês uma pequena idéia do tanto que isso está saindo do controle.

Formas de culpar as mães pelo autismo

Nascimentos muito próximos: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21220394?dopt=Abstract

Parto prematuro: http://www.news-medical.net/news/20111018/Premature-infants-more-likely-to-develop-autism.aspx

Complicações pré-natais: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1469-7610.1990.tb00820.x/abstract

Não usar vitaminas pré-natais: http://medicalxpress.com/news/2011-05-early-prenatal-vitamins-autism.html

Morar perto de uma rodovia: http://articles.latimes.com/2010/dec/16/health/la-he-autism-20101217

Estar acima do peso: http://online.wsj.com/article/SB10001424052702304072004577328203742847094.html

Fumar: http://www.opposingviews.com/i/health/addiction/autism-linked-moms-who-smoke

Ter uma febre na gravidez: http://www.latimes.com/health/boostershots/la-heb-fevers-pregnancy-autism-20120523,0,6934232.story

A gravidez está ligada ao autismo

Nesse ponto, podemos todos concordar que a gravidez está ligada ao autismo? Dar à luz está ligado ao autismo. Estar vivo tem um link com o autismo. Não, essas não são as causas, mas elas estão ligadas! Respirar está ligado ao autismo! Abrir os olhos está ligado ao autismo! As batidas do coração estão ligadas ao autismo! A teoria da “mãe geladeira” está morta e enterrada. Vocês podem, por favor, deixá-la no passado? Já deu. Parem de apontar dedos. Agora que vocês já sabem que o nascimento está ligado ao autismo, vocês podem começar a gastar o seu tempo e recursos em algo que seja realmente útil. Não precisam me agradecer.

Links para o textos originais em inglês: http://www.stuartduncan.name/autism/may-increase-the-risk-of-autism-studies-versus-real-scientific-research/

http://www.stuartduncan.name/general/dear-researchers-being-pregnant-is-linked-to-autism-youre-welcome/

Imagem: Shutterstock

  1. Facebook

  2. Twitter

  3. E-mail

#autismoinfantil #gravidezeautismo #autismoculpamãe #andreawerner #sobreautismo #autismo #oautismo #causasautismo #autista

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube

Copyleft © 2021 Instituto Lagarta Vira Pupa.

 

O conteúdo deste site, exceto quando proveniente de outras fontes ou onde especificado o contrário, está licenciado sob a Creative Commons by-sa 3.0 BR.