Volta às aulas e alunos com necessidades educacionais especiais

Para muita gente, a volta às aulas traz preocupações que vão muito além das providências e custos com uniformes e material escolar. Para as famílias daqueles alunos que apresentam um perfil de aprendizagem diferente do padrão (pessoas com autismo, dislexia, TDAH, deficiências diversas – visual, auditiva, motora, intelectual – superdotação e outras condições neuropsiquiátricas), essa época do ano pode vir carregada de angústias e incertezas.

Em nosso país, a maioria das escolas ainda está engatinhando no processo de sistematização das ações necessárias para a inclusão escolar. A irregularidade do suporte oferecido a cada ano nas escolas regulares, cuja qualidade, muitas vezes, depende mais da boa vontade de um ou outro profissional do que de um planejamento institucional, gera uma grande insegurança para todos os envolvidos.

Vamos tentar aproveitar o início do ano, quando todos estão voltando mais descansados do período das férias, para falar um pouco dos problemas que enfrentamos com mais frequência e de como podemos tentar mudar o jogo.

A famosa “falta de preparo”

Sim, é verdade que a grande maioria dos cursos de graduação não oferece formação adequada na área da educação inclusiva. Mas alunos de desenvolvimento atípico e/ou necessidades educacionais especiais existem, são pessoas reais e estão presentes em todas as escolas. Sempre estiveram, quer fossem reconhecidos ou não. Buscar conhecimento e capacitação é o único caminho.

Muitos professores ficam temerosos de não dar conta do recado. Eles precisam ser apoiados e assistidos pelos gestores nesse processo. As necessidades de cada aluno precisam ser identificadas para que possam ser atendidas, e a ajuda de outros profissionais que trabalham com ela (fonoaudiólogo, psicólogo, terapeuta ocupacional) é muito bem vinda nesse momento.

Um planejamento adequado, de modo geral, envolve uso de:

  1. recursos e estratégias para comunicação efetiva

  2. estruturação e sinalização do ambiente

  3. estabelecimento de rotina adequada

  4. definição de objetivos e metas

  5. acomodações e adaptações pedagógicas