Agradecimentos por um lindo (e azul) 2 de abril

No ano passado, fiz um post mostrando todas as manifestações e passeatas que ocorreram no dia 2 de abril no Brasil inteiro. Esse ano, quero fazer diferente.

Porque a mobilização que vi na internet foi tão linda e tão intensa que merece uma homenagem…principalmente, porque ela veio de pessoas que não têm nenhum parente próximo com autismo!  

1. Pra começar, querida agradecer a TODOS os meus amigos que trocaram suas fotos do Facebook por algo azul, remetendo ao Dia Mundial do Autismo. E a todos que publicaram algum texto sobre o assunto também! (Aqui, fica muito difícil citar nomes, porque foram MUITOS)  

Joana Fleury
Marcela Lourenço

Dani Kobayashi, uma querida que já trabalhou comigo!

Dani Kobayashi, uma querida que já trabalhou comigo!



O pessoal que trabalhou com meu marido na última empresa

O pessoal que trabalhou com meu marido na última empresa



Olha os ex colegas de empresa do Lê aí!

Olha os ex colegas de empresa do Lê aí!



Rafa Lotto, querida ex colega, ex chefe e atual amiga

Rafa Lotto, querida ex colega, ex chefe e atual amiga


Aqui, faltou a foto, mas querida deixar registrado o agradecimento à Júlia Magalhães e à Silvana Couto Lessa, amigas da minha irmã, de Belo Horizonte, que foram trabalhar vestidas de azul no dia 2 “pelo Theozão”!   3. Aos fofos da redação da Revista Pais & Filhos, que foram todos de azul na terça e ainda publicaram várias matérias legais sobre o autismo.


Azulou geral!

Azulou geral!


  4. Ao pessoal da Revista Crescer, que se mobilizou para a data e publicou, provavelmente, as melhores perguntas que já me fizeram sobre autismo. Você pode ler clicando AQUI.


Crescer

  5. Família, família…todo mundo de azul! Até os que não tiraram foto!


Karina (cunhada), Décio (sogro) e Rosa (sogra)

Karina (cunhada), Décio (sogro) e Rosa (sogra)



tia Dedê, a dinda do Theozão

tia Dedê, a dinda do Theozão


  6. Um beijo especial para o pessoal da Baby.com.br. Olha a turma toda vestida de azul!


Pessoal da Baby: fiquei emocionada!

Pessoal da Baby: fiquei emocionada!


  7. O agradecimento de agora vai pra Angélica, que tuitou (e Instagramou e Facebookou) 2 imagens pelo Dia Internacional da Conscientização do Autismo, inclusive a foto do Theozão com a mensagem da Abraça! (Outro agradecimento à Baby, que tornou isso possível ao me convidar para o talk show com a Angélica, que você pode ver AQUI).


Muito feliz por saber que a Angélica se sentiu tocada pela mensagem

Muito feliz por saber que a Angélica se sentiu tocada pela mensagem



Angelica 2

8. Um abraço especial e todo o meu carinho às mães blogueiras, que eu também conheci graças ao evento da Baby, e que se sensibilizaram com a causa ao ponto de postar, em seus blogs, um texto específico sobre autismo para o dia 2 de abril! Você pode ver todos os links abaixo:

Roteiro Baby Campinas: Dia 2 de Abril e o Autismo

Mil dicas de mãe: Autismo, informações gerais e últimas novidades

Kids Indoors: Dia 2 de Abril, Dia Mundial da Conscientização do Autismo

Eu (Lele), ele e as crianças: Dia Mundial da Conscientização do Autismo – 2 de Abril

Entre Fraldas e Livros: Dia Mundial da Consciência sobre o Autismo

Eu e os Gêmeos: Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo

Vida de Mamãe Moderna: Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo

Isaac para sempre: 2 de abril – dia da conscientização do Autismo

Dona Maricota Feliz: Dia Mundial do Autismo

Era uma vez: Dia Mundial do Autismo

Maternidade Colorida: 02 de Abril – Dia Mundial da Conscientização do Autismo

Joseph’s blog: Dia Mundial da Conscientização do Autismo

Look Bebê: tudo (o que eu não sabia) sobre o autismo

Bicho Mãe: tudo azul para o dia mundial da conscientização do autismo

UFA!!

9. Pra terminar, um agradecimento especial. Quando a gente descobre que tem um filho autista, se sente sozinha no mundo. Depois, descobre outras mães de filhos autistas e se sente acolhida, compreendida. E cria-se um certo preconceito contra as mães de crianças típicas. Porque, na reunião da escola, todas fazem questão de contar as milhares de palavras que seu filho de 2 anos fala, sendo que o seu filho nem olha nos olhos. Nada disso é por querer, ninguém quer magoar, mas início de diagnóstico é assim: uma ferida aberta. Qualquer coisinha faz sangrar.

Daí, um certo grupo me ajudou a ver que mães de crianças típicas não são “o inimigo”. Podem ser acolhedoras, amigas, e que, mesmo sem entender de fato o que se passa na sua casa, farão de tudo pra tentar.

E elas começaram a postar fotos dos filhos (típicos) vestindo azul no dia 2…e foram tantas que fica até difícil postar aqui!