Altas habilidades, autismo ou ambos?


altas_habilidades_ou_autismo

Superdotação ou Altas Habilidades

Consideramos como superdotação ou altas habilidades (AH) um desempenho elevado em relação aos pares, de forma isolada ou combinada, em uma ou mais das seguintes áreas: conhecimento acadêmico geral ou específico, capacidade psicomotora, talento artístico, pensamento criativo e liderança. Estima-se que 3,5 a 5% da população mundial apresente AH. Quando as pessoas que apresentam esse desempenho extraordinário também possuem déficits em outras funções (visual, auditiva, motora, transtornos de aprendizagem, e até autismo), chamamos de Dupla Excepcionalidade. É o caso, por exemplo, da criança com autismo leve (ex Síndrome de Asperger) e QI superior. Até o momento, não contamos com estatísticas confiáveis da Dupla Excepcionalidade no Brasil. Ambas as condições (TEA e AH) são subdiagnosticadas em nosso meio.  Além disso, nem sempre os testes utilizados em avaliações da inteligência são adequados para pessoas autistas. Então, muitos dos nossos autistas seguem sem ter suas capacidades reconhecidas e sem o suporte pedagógico que necessitam para seu desenvolvimento pleno.

Diagnóstico

O diagnóstico deve ser feito por mais de um profissional, de preferência médico e neuropsicólogo com experiência na área. A avaliação neuropsicológica inclui testes padronizados que mostram o perfil de habiliaddes da criança em diversas áreas do funcionamento cerebral. Às vezes, em situações em que a criança é autista leve e superdotada (ou seja, tem a dupla excepcionalidade), o profissional pode não perceber os sinais mais sutis do autismo e dar apenas o diagnóstico de AH. E as características do TEA acabam sendo levadas como “excentricidades de superdotado”.  No entanto, o neurotípico com AH não vai apresentar problemas de comunicação (literalidade, falas fora do contexto, dificuldades na linguagem não verbal etc), nem interesses restritos, manias, ritualizações, estereotipias ou alterações sensoriais. Vai ter, no máximo, irritação com a falta de inteligência dos outros e tédio. Ao contrário do que se pensa, a maior parte dos aspies não chega a ser AH. Na minha experiência pessoal como médica, a maioria das crianças com AH são, também, autistas leves/aspergers.

Prognóstico

Ter AH, por si só, não garante o sucesso acadêmico do autista. As alterações de comunicação, de comportamento e sensoriais típicas do autismo podem atrapalhar a vida escolar. Muitas vezes, o aluno com Dupla Excepcionalidade tem dificuldades na compreensão de comandos e enunciados, recusa-se a fazer algumas atividades (cópias escritas, como exemplo muito frequente!), insiste em realizar as atividades do seu jeito e não do jeito que se ensina, desinteressa-se do material apresentado, desenvolve aversão pela sala de aula. Seus apartes curiosos podem ser tomados como arrogância ou desafio à autoridade do professor e sua percepção limitada do contexto social pode torná-lo alvo fácil de brincadeiras de mau gosto, com cicatrizes duradouras. Ao que tudo indica, uma volta ao passado – àquele conceito de pedagogia terapêutica da Viena de antes da guerra – traria grandes benefícios para todos. Enxergar além das aparências, não apenas as dificuldades, mas as potencialidades e os talentos que possam estar escondidos e promover um ambiente em que eles possam aflorar sem medo. Toda vez que avalio um autista com altas habilidades sinto o mesmo misto de espanto e deslumbramento. Pode ser um aspie exibindo seu conhecimento enciclopédico, embora leve a própria família à loucura com sua rigidez de comportamento. Ou um toquinho de 4 anos que só fala em ecolalia e mostra um encantamento e uma facilidade absurda com números e cálculos. Uma adolescente que ainda não domina a escrita, mas faz desenhos absolutamente fantásticos. Ou um pequeno que não interage com nenhum coleguinha da educação infantil, mas lê e escreve com fluência em dois idiomas. O cérebro humano é mesmo extraordinário. A maneira como alguns autistas desafi