Das coisas que o vento leva

shutterstock_180028790

“No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas que o vento não conseguiu levar: um estribilho antigo um carinho no momento preciso o folhear de um livro de poemas o cheiro que tinha um dia o próprio vento…”

~ Mário Quintana

O tempo passa…as pessoas também.

A gente vai envelhecendo como as páginas de um livro. E os velhos vão e dão lugar aos novos. E, no fundo, há beleza nisso. É a forma que a vida encontra de deixar tudo fresco e novo. De renovar-se.

E Mário Quintana tem razão: no meio dessa renovação, há coisas que o tempo – ou o vento – não leva. E, nos meus últimos momentos de vida (bem velhinha, eu espero), é dessas coisas que vou querer me lembrar:

  1. O cheiro do cabelinho do Theo após o banho

  2. O som que seus pezinhos fazem quando ele vem correndo do quarto

  3. A sensação de passar a mão em seu cabelinho arrepiado e recém cortado

  4. A textura da pele tão macia da barriguinha dele

  5. A sensação de sentir seu beijo de boca aberta com uma respiração quente no meu rosto

  6. O sorriso lindo que ele dá quando me vê chegar

  7. O som das gargalhadas deliciosas que ele dá quando está se divertindo.

Tudo o mais, o vento pode levar. Essas lembranças serão suficientes pra me mostrar que a vida valeu a pena. Cada segundo passado ao lado dele valeu a pena. É isso. Acredito que Quintana esteja, mesmo, certo. E se são, justamente, as coisas leves que ficam, isso quer dizer que o vento e o tempo vão levar as pesadas?

Se for assim, fico feliz em saber que o Autismo não ocupará a minha mente nos últimos momentos. Pesado como é, vai ser levado embora como uma pluma! Afinal de contas, o que é o Autismo perto de tantas coisas leves e sublimes?    

  1. Facebook

  2. Twitter

  3. E-mail

#blogmaterno #austimoinfantil #andreawerner #sobreautismo #maternidadeespecial #criançaautista #oautismo #transtornosdoespectroautista #mãedeautista