O dia de hoje e as crianças com sufixo

Sufixo não é aquilo que vem depois da palavra?* Hoje, eu gostaria de contar para vocês sobre um grupo de crianças diferenciado: as “crianças com sufixo”.


Crianças com sufixo vêm com algo a mais. Uns dizem que são superpoderes. Eu não sei bem como denominar, mas que elas têm um pozinho de pirlimpipim, isso elas têm! Pois elas provocam mudanças intensas, para começar, em seus pais. Mexem com tudo: os sentimentos, as prioridades, os gostos, a forma de ver a vida. Viram-nos do avesso. Transformam seus dois adultos de forma que eles ficam com um desejo incontrolável de transformar os outros também. E a sociedade. E o mundo.

Crianças com sufixo dão choques: de amor e de realidade. Alguns reagem a esse choque com susto, receito e afastamento. Mas a quem dá abertura, esse choque gera acolhimento. Desejo de mudança. Vontade inesgotável de aprender mais do que ensinar.

Crianças com sufixo não costumam aparecer nos comerciais bonitos de TV. Nem nos corriqueiros e nem nos especiais, como esses de Dia das Crianças. Eu estava pensando aqui com os meus botões e cheguei à conclusão de que isso acontece porque elas não se encaixam em algo feito para provocar o consumo. Crianças com sufixo, geralmente, não precisam de brinquedos novos. Não sentem falta, quase não pedem. Crianças com sufixo acham graça naquilo que todo mundo ignora ou joga fora.

Eu sei bem disso porque sou mãe de uma criança com sufixo. Nesses 7 anos de vida conosco, ela já se afeiçoou por uma lista interminável de objetos que não aparecem nos comerciais de Dia das Crianças. Já foi escova de dente, garrafa pet vazia, uma batata, uma banana, uma escova de cabelo, copos de medida de cozinha, prendedores de roupa e embalagens vazias de remédio.

Imaginem se toda criança aprendesse a brincar como as crianças com sufixo? As indústrias que vendem brinquedos, roupas, acessórios e apetrechos caros para esse público iriam ter um problemão…

Crianças com sufixo são praticamente experts em sustentabilidade, reciclagem, e não são consumistas. Elas estão pouco se lixando para o celular que acabou de ser lançado ou a bota caríssima das princesas.

Crianças com sufixo são aquelas que têm sempre algo a mais escrito após o substantivo “criança”: criança com Síndrome de Down, criança com Paralisia Cerebral, criança autista, criança cega, e várias outras.

Essas crianças doam tanto que, talvez para compensar, vêm ao mundo com dificuldades adicionais.

Crianças com sufixo não precisam de presentes caros na data de hoje. O que faz realmente diferença na vida delas é o básico: amor, acolhimento, respeito, escola para aprender, meios de superar suas dificuldades. É entender que, apesar dos sufixos, elas têm os mesmos direitos básicos das outras crianças.

Um feliz Dia das Crianças pra todas elas: com ou sem sufixo, que possam aprender umas com as outras, crescer sabendo o que realmente tem valor e construir uma sociedade menos superficial e mais inclusiva e igualitária!

*Nota: Estou perfeitamente ciente que o significado de “sufixo” na língua portuguesa não é esse. Mas tomei uma certa “liberdade artística” para escrever o texto. 🙂

(Os conteúdos produzidos por Andrea Werner e disponibilizados neste site são protegidos por copyright e não podem ser reproduzidos, total ou parcialmente, sem autorização expressa da autora, mesmo citando a fonte)

Foto: Shutterstock

  1. Facebook

  2. Twitter

  3. E-mail

#blogmaterno #criançacomautismo #infâncialivrodoconsumismo #infânciasemconsumismo #criançasespeciais #autismoinfantil #síndromededown #paralisiacerebral #andreawerner #sobreautismo #criançascomdeficiências #autismo #criançaautista #inclusãosocial #blogdemãe #criançascomnecessidadesespeciais

Quem somos

Missão e Valores
Seja uma embaixadora

Blog

Loja

Eventos

Política de privacidade
Imprensa

Contato

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube

Copyleft © 2020 Instituto Lagarta Vira Pupa.

 

O conteúdo deste site, exceto quando proveniente de outras fontes ou onde especificado o contrário, está licenciado sob a Creative Commons by-sa 3.0 BR.