O que não dizer e como ajudar pais de crianças com deficiências


Eu sei que ninguém faz isso por maldade. Quando você fica sabendo, por um amigo ou conhecido, que o filho dele foi diagnosticado com uma deficiência, a intenção é ajudar, consolar, dar ânimo. Mas, às vezes, naquela ânsia de dizer alguma coisa útil, as pessoas dizem frases que machucam, ou são impertinentes, ou, simplesmente, não acrescentam em nada.

Portanto, resolvi dar umas dicas do que não dizer – e do que pode ajudar – caso você tenha amigos ou conhecidos que sejam pais de crianças com deficiências. Algumas frases são generalistas. Outras, se aplicam especificamente a autismo.

O que não dizer:

  1. “Deus não dá mais para a pessoa do que ela pode suportar”. Acredite em mim: isso não serve de consolo pra ninguém!

  2. “Filhos especiais vêm para pessoas especiais”. Infelizmente, não é bem assim. Se fosse, não teria mãe matando autista pelo mundo afora (coisa triste que, infelizmente, acontece).

  3. “Tenho certeza de que ele vai superar isso”. Entendo a sua intenção, mas ninguém “supera” autismo. Autismo, pelo menos por enquanto, não tem cura.

  4. “Você viu o site X na internet? Eles dizem que podem curar autismo com a terapia Y!”. Sim. Isso é tão real quanto “trago a pessoa amada em 2 dias”.

  5. “Quando ele vai começar a falar?”. Não sei. Ninguém sabe. E isso não é coisa que se pergunte.

  6. “Ele não parece autista/down/pc”. Vou meditar sobre isso, mas não parecer autista não faz a vida dele menos difícil.

  7. “Eu acho que ele passa muito tempo no dvd/varanda/sofá/quarto”. Acredite, não é por minha escolha e nem por falta de tentar que ele faça algo diferente.

  8. “Eu não sei se aguentaria o que você aguenta”. Criar filhos não é fácil pra ninguém. Mas, a partir do momento em que você escolhe ser mãe ou pai, dá o seu melhor. Não tenho super poderes.E meu filho não é um fardo. É uma criança adorável!

  9. Descrições detalhadas do que o seu próprio filho, da mesma idade, tem feito/falado/alcançado. Principalmente para pais que acabaram de receber o diagnóstico, isso costuma ser muito doloroso. É bom ter uma sensibilidade extra nesse momento.

  10. “Li que os autistas são gênios”. Alguns são. A maioria não é. Assim como acontece com as pessoas não autistas.

Ufa! Daí, você pensa: mas, então, o que eu posso falar pra ajudar?

Aqui vão algumas dicas do que falar:

  1. “O que eu posso fazer para te ajudar?”

  2. “Estou aqui para ouvir quando você precisar desabafar”;

  3. “Não sei como é passar por isso, mas tenho certeza de que não é fácil”;

  4. “Ele tem melhorado muito com as terapias! Você deve estar orgulhosa!”;

  5. “Seu filho é adorável do jeitinho que ele é”.

  6. “Faz tempo que não vejo o seu filho. Posso passar aí hoje e pedimos uma pizza?”

  7. “Não sei o que dizer. Posso te dar um abraço?”

Nesse momento, você, que tem um amigo ou conhecido com filho especial, deve estar pensando “mas esse povo é meio sensível demais, hein?!”. Yes, we are. 😀

Mas, por favor, não fuja da gente! O que você pode nos oferecer de mais valioso, nessas horas, é o seu ombro amigo!

Imagem: Shutterstock

-23.548943-46.638818

  1. Facebook

  2. Twitter

  3. E-mail

#blogmaterno #autismoinfantil #oquenãodizer #maternidadeeautismo #andreawerner #descobertadoautismo #sobreautismo #autismo #oautismo #transtornodoespectroautista #diagnósticoautismo #criançasautistas #oqueautismo #mãedeautista #autista

Quem somos

Missão e Valores
Seja uma embaixadora

Blog

Loja

Eventos

Política de privacidade
Imprensa

Contato

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube

Copyleft © 2020 Instituto Lagarta Vira Pupa.

 

O conteúdo deste site, exceto quando proveniente de outras fontes ou onde especificado o contrário, está licenciado sob a Creative Commons by-sa 3.0 BR.